• Farmacologia Informa

Você sabe como é o processo de desenvolvimento de novos medicamentos?

Atualizado: Mai 21

Grupo Farmacologia Informa


No mundo todo tem se falado sobre o desenvolvimento de fármacos para o tratamento da COVID-19, causada pelo coronavírus 2 da síndrome respiratória aguda grave (SARS-CoV-2). Porém, o desenvolvimento de um novo medicamento envolve muitas etapas, que levam em torno de 10 anos ou mais.

De forma geral, inicialmente é feito o planejamento e síntese de novas moléculas que possam agir em algum alvo específico da doença em estudo, ou ainda, alterações em moléculas já existentes (protótipo) com objetivo de otimizar sua ação (1). Moléculas bioativas também podem ser selecionadas através da avaliação de grupos de produtos naturais (2) ou substâncias sintéticas utilizando-se ensaios bioquímicos e ensaios com células e tecidos. Ainda, a triagem virtual utilizando-se métodos computacionais contribui de forma significativa para a seleção de substâncias bioativas (3).

Em seguida são realizados os estudos pré-clínicos que incluem as seguintes etapas: I) estudos in vitro que utilizam células e/ou tecidos; II) estudos in vivo de farmacocinética, nos quais são avaliados os processos de absorção, distribuição, metabolização e excreção dos medicamentos (1); III) estudos in vivo de toxicidade aguda, de doses repetidas, genotoxicidade (avaliação de alterações da estrutura ou função do DNA que podem gerar mutações), carcinogenicidade (avaliação de alterações responsáveis pela indução de câncer), toxicocinética (estudo das características farmacocinéticas de um agente tóxico) e toxicidade reprodutiva (4); IV) formulação farmacêutica, e; V) síntese em escala. As etapas II e III são realizadas em animais experimentais.

Após passar em todas essas etapas, se inicia os ensaios clínicos, realizados em humanos com o objetivo de confirmar os efeitos farmacológicos observados na fase pré-clínica, além de avaliar segurança e eficácia (5). Estes ensaios também seguem etapas: Fase I - em que são recrutados poucos voluntários sadios; Fase II - realizada em um grupo pequeno de pacientes selecionados, e; Fase III- realizada em maior número de pacientes selecionados. A resolução da Anvisa - RDC nº 9, de 20 de fevereiro de 2015 dispõe sobre o regulamento para a realização de ensaios clínicos com medicamentos no Brasil (5).

Após sua aprovação e registro pela agência regulatória, que no caso do Brasil é a ANVISA, o novo medicamento pode ser então produzido pela indústria farmacêutica e comercializado. Ainda temos a Fase IV, denominada vigilância pós-comercialização, para detectar possíveis efeitos adversos não vistos nas etapas anteriores, o que pode inclusive, levar a suspensão da autorização de sua venda.

Diante da complexidade do processo de desenvolvimento de um novo medicamento e a urgência na busca por um tratamento eficaz para COVID-19, fármacos já aprovados para outras doenças estão sendo testados contra o SARS-CoV-2, pois acelera o processo, pulando muitas das etapas iniciais. Esta medida recebe o nome de reposicionamento de fármacos (6, 7). Atualmente, existem 528 ensaios clínicos em andamento no mundo para o tratamento de COVID-19 (8).

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, até a presente data, não há evidência de que algum medicamento possa prevenir ou curar a COVID-19 (9).


Figura adaptada do Boletim ISMP Vol 9 n2, Abril de 2020 (10).


Referências bibliográficas

1- Brodniewicz T, Grynkiewicz G. Preclinical drug development. Acta Pol Pharm. 2010 Nov-Dec;67(6):578-85.

2- Thomford NE, Senthebane DA, Rowe A, Munro D, Seele P, Maroyi A, Dzobo K. Natural Products for Drug Discovery in the 21st Century: Innovations for Novel Drug Discovery. Int J Mol Sci. 2018 May 25;19(6): 1-29.

3- Ferreira LG, Dos Santos RN, Oliva G, Andricopulo AD. Molecular docking and structure-based drug design strategies. Molecules. 2015 Jul 22;20(7):13384-421.

4- Guia para a Condução de Estudos Não Clínicos de Toxicologia e Segurança Farmacológica Necessários ao Desenvolvimento de Medicamentos. Brasília, 31 de janeiro de 2013 – Versão 2. Disponível em: www.anvisa.gov.br, Acesso em: 28/04/2020.

5- Anvisa - RDC nº 9, de 20 de fevereiro de 2015. MANUAL PARA SUBMISSÃO DE DOSSIÊ DE DESENVOLVIMENTO CLÍNICO DE MEDICAMENTO (DDCM) E DOSSIÊ ESPECÍFICO DE ENSAIO CLÍNICO, 2017, 3ª edição. Disponível em: www.anvisa.gov.br, Acesso em: 28/04/2020.

6- Kalil AC. Treating COVID-19—Off-Label Drug Use, Compassionate Use, and Randomized Clinical Trials During Pandemics. JAMA. 2020 Mar 24

7- Pushpakom S, Iorio F, Eyers PA, Escott KJ, Hopper S, Wells A, Doig A, Guilliams T, Latimer J, McNamee C, Norris A, Sanseau P, Cavalla D, Pirmohamed M. Drug repurposing: progress, challenges and recommendations. Nat Rev Drug Discov. 2019 Jan;18(1):41-58.

8- www.clinicaltrials.gov. Acesso em: 04/05/2020.

9- WHO. Coronavirus Disease (COVID-19) Pandemic [Internet]. 2020 [cited 2020 Apr 21]. Available from: https://www.who.int/emergencies/diseases/novel-coronavirus-2019

10- www.ismp-brasil.org/site/boletins/ Acesso em: 06/05/2020.

 

Para uma melhor experiencia, sugerimos abrir o site no computador.     Se detectar algum erro nos links, por favor nos contacte. 

  • Twitter
  • Facebook
  • Instagram

siga nas redes sociais

ufrj.jpg
WhatsApp Image 2020-05-26 at 20.47.53.jp
campus_UFRJ_macae_Aloisio_Teixeira.png

Visitas